Login:
Senha:
 
Bem vindo,   Sair
Página Inicial|Atendimento ao Cliente|Mapa do Site|Fale Conosco| Newsletter
Buscar:
Tendências Econômicas
Sondagens e Índices de Confiança
Indicadores de Ciclos Econômicos
Ciclos da Economia
Ciclos das Variáveis de Mercado de Trabalho
CODACE
Índice de Incerteza da Economia
ICOMEX
Monitor do PIB
Ciclos das Variáveis de Mercado de Trabalho
O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) tem por objetivo antecipar os principais movimentos do mercado de trabalho no Brasil, com base em dados extraídos das seguintes quesitos obtidas nas Sondagens Empresariais e de Expectativas do Consumidor produzidas pelo próprio FGV/IBRE:

• Expectativas em relação ao mercado de trabalho (Sondagem do Consumidor);
• Emprego previsto (Sondagem da Indústria);
• Situação atual dos negócios (Sondagem da Indústria);
• Tendência dos Negócios (Sondagem da Indústria);
• Emprego previsto (Sondagem de Serviços);
• Situação atual dos negócios (Sondagem de Serviços);
• Tendência dos Negócios (Sondagem de Serviços).

A Sondagem de Expectativas do Consumidor é uma pesquisa mensal que gera indicadores a partir do sentimento do brasileiro residente nas sete principais capitais do país a respeito de temas como a situação econômica local, situação financeira das famílias, emprego, intenção de gastos com bens duráveis, etc. O tema “emprego” abrange perguntas sobre a situação presente e futura do mercado de trabalho. O IAEmp inclui os resultados obtidos na pergunta em que o consumidor revela suas expectativas para os meses seguintes em relação ao mercado de trabalho na cidade em que reside.

O indicador da Sondagem do Consumidor obtido a partir da pergunta sobre a situação futura do mercado de trabalho é construído a partir dos dados desagregados de sete das principais capitais do Brasil, conforme listadas abaixo:

• Belo Horizonte;
• Brasília;
• Porto Alegre;
• Recife;
• Salvador;
• Rio de Janeiro;
• São Paulo.

Os indicadores para cada uma das capitais são ajustados sazonalmente e expressos como desvios em relação à tendência de longo prazo através da extração da tendência estimada. Os indicadores são agregados usando-se pesos gerados pela Análise dos Componentes Principais (ACP) - PCA, do inglês, Principal Components Analysis – para formar o Indicador de Emprego Futuro Local da Sondagem de Expectativas do Consumidor.

A ACP é uma técnica estatística multivariada que consiste em transformar um conjunto de variáveis em outro conjunto de variáveis de mesma dimensão denominadas de componentes principais. Está associada à ideia de redução de massa de dados com a menor perda possível da informação. Cada componente principal é uma combinação linear de todas as variáveis originais. São independentes entre si e estimados com o propósito de reter o máximo de informação - em termos da variação total contida nos dados. O método separa a informação importante da redundante e aleatória.

O Indicador Antecedente do Emprego também inclui seis séries das Sondagens Empresariais: três da Sondagem da Indústria e três séries da Sondagem de Serviços.

A Sondagem da Indústria de Transformação fornece, mensalmente, indicações sobre o estado geral da economia e suas tendências, podendo orientar decisões empresariais e de política econômica. A pesquisa abrange quesitos que tratam do presente e do futuro próximo. Os dados são agregados a partir de 21 gêneros industriais. Nos estudos, visando à elaboração do IAEmp, foram testadas diferentes formas de agregação a partir de 14 subsetores, conforme discriminação a seguir:

• Produtos de Minerais Não Metálicos;
• Metalúrgica;
• Mecânica;
• Material Elétrico e de Comunicações;
• Material de Transporte;
• Mobiliário;
• Celulose, Papel e Papelão;
• Química;
• Produtos Farmacêuticos e Veterinários;
• Produtos de Matérias Plásticas;
• Indústria Têxtil;
• Vestuário, Calçados e Artefatos de Tecidos;
• Produtos Alimentares;
• Outros Produtos.

Analogamente ao exercício de agregação do indicador de situação futura do mercado de trabalho da Sondagem de Expectativas do Consumidor, os indicadores para cada um dos subsetores são ajustados sazonalmente e expressos como desvios em relação à tendência de longo prazo através da extração da tendência estimada. Esses indicadores são então agregados, usando-se pesos gerados pela ACP, para formar as seguintes séries da Sondagem da Indústria, utilizadas no cálculo do IAEmp:

• Previsão do nível de emprego para 3 meses - Séries dos 14 subsetores agregadas por Análise de Componentes Principais;

• Situação atual dos negócios - Séries dos 14 subsetores agregadas por Análise de Componentes Principais;

O quesito Tendência dos negócios para 6 meses é incorporado no IAEmp no seu formato oficialmente divulgado.

A Sondagem do Setor de Serviços é uma pesquisa mensal que busca monitorar a situação atual e as tendências de curto prazo deste setor. Na Sondagem do Setor de Serviços, são pesquisadas empresas atuantes em território nacional. A cobertura setorial da pesquisa é similar à da Pesquisa Anual de Serviços (PAS) do IBGE, abrangendo, em grandes linhas, todos os setores de serviços excluindo governo, atividades continuadas de ensino e saúde, setor financeiro e comércio. Os segmentos setoriais são determinados pela Classificação Nacional de Atividades Econômicas, versão 1.0 (CNAE 1.0), do IBGE. Os resultados mais desagregados são obtidos para vinte e nove Grupos (três dígitos) de CNAE 1.0, e agregados nos sete Segmentos (somatório de quatro dígitos) de CNAE 1.0 das estatísticas do IBGE para o setor Serviços apresentados a seguir:

• Serviços prestados às famílias;
• Serviços de informação;
• Serviços prestados às empresas;
• Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio;
• Atividades imobiliárias e de aluguel de bens e imóveis;
• Serviços de manutenção e reparação;
• Outras atividades de serviços.

Analogamente aos exercícios feitos nas sondagens da Indústria e do Consumidor, os indicadores para cada um dos sete segmentos são ajustados sazonalmente e expressos em desvios em relação à tendência de longo prazo através da extração da tendência estimada. Estes são agregados usando-se pesos gerados pela ACP para formar duas séries da Sondagem do Setor de Serviços utilizadas no cálculo do IAEmp:

• Previsão do nível de emprego para 3 meses - Séries dos sete segmentos agregadas por Análise de Componentes Principais;

• Situação atual dos negócios - Séries dos sete segmentos agregadas por Análise de Componentes Principais.

Novamente, no caso do quesito Tendência dos negócios para 6 meses, o desempenho da série oficialmente divulgada superou o das agregações feitas com pesos gerados pela Análise de Componentes principais sendo, portanto, a forma em que o indicador deste quesito é incorporado ao IAEmp.

Para agregar os sete indicadores descritos acima, os pesos são dados por Análise de Componentes Principais. O indicador tem início em junho de 2008, data a partir da qual estão disponíveis os dados de sondagem utilizados, e tem como base junho de 2008 = 100.
Para seleção da melhor combinação das séries de sondagens, foi usada como referência a série da População Ocupada, da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE. Em momento algum, no entanto, o indicador se propõe a reproduzir – ou até mesmo prever – quaisquer séries estatísticas específicas.
O
IAEmp é um indicador criado a partir de dados estatísticos produzidos pelo IBRE/FGV. A escolha das séries e dos pesos foi realizada por métodos estatísticos, podendo sofrer revisões periódicas. Nesta ocasião, as eventuais alterações não provocarão mudanças nas séries previamente divulgadas.

Para acessar as publicações do IAEmp clique nos links abaixo:

Resultados: Clique em Subcategoria e selecione Indicadores Antecedentes e Coincidentes.

Metodologia: Selecione Categoria e Subcategoria.

Mídia: Em Categoria selecione Indicadores Antecedentes e Coincidentes.




O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) tem por objetivo monitorar a evolução contemporânea da taxa de desemprego no Brasil, com base em dados extraídos da Sondagem do Consumidor produzida pelo próprio FGV/IBRE.

A Sondagem de Expectativas do Consumidor é uma pesquisa mensal que gera indicadores a partir do sentimento do brasileiro residente nas sete principais capitais do país a respeito de temas como a situação econômica local, situação financeira da família, mercado de trabalho, intenção de gastos com bens duráveis. O tema “mercado de trabalho” abrange perguntas sobre a percepção presente e expectativas futuras do consumidor em relação à facilidade para obtenção de emprego na cidade em que reside.

O ICD é construído a partir dos dados desagregados da pergunta em que o consumidor avalia a situação presente do mercado de trabalho segundo as quatro classes de renda familiar mensal apresentadas a seguir:

• Faixa de Renda 1 – Até R$ 2.100 de renda mensal;
• Faixa de Renda 2 – Entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800,00;
• Faixa de Renda 3 – Entre R$ 4.800,01 e R$ 9.600,00;
• Faixa de Renda 4 – Mais de R$ 9.600,01.

Para formar o ICD, os indicadores de cada faixa de renda são ajustados sazonalmente e agregados usando-se pesos gerados pela Análise dos Componentes Principais (ACP) - PCA, do inglês, Principal Components Analysis.

A ACP é uma técnica estatística multivariada que consiste em transformar um conjunto de variáveis em outro conjunto de variáveis de mesma dimensão, denominadas de componentes principais. Está associada à ideia de redução de massa de dados com a menor perda possível da informação. Cada componente principal é uma combinação linear de todas as variáveis originais. São independentes entre si e estimados com o propósito de reter o máximo de informação - em termos da variação total contida nos dados. Em síntese, o método separa a informação importante da redundante e aleatória.

Uma vez agregadas as quatro séries, é necessário inverter as variações do indicador obtido já que o Indicador original da pergunta na Sondagem do Consumidor refere-se a emprego e não a desemprego. O ICD tem início em novembro de 2005, data a partir da qual estão disponíveis os dados de sondagem utilizados. Considerando-se novembro de 2005 = 100, são aplicadas as variações mensais invertidas do indicador obtido segundo os pesos gerados pela Análise dos Componentes Principais.

Para seleção da melhor combinação das séries de sondagens, foi usada como referência a série de desemprego da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE. Em momento algum, no entanto, o indicador se propõe a reproduzir – ou até mesmo prever – quaisquer séries estatísticas específicas.

O ICD é um indicador criado a partir de dados estatísticos produzidos pelo FGV/IBRE. A escolha das séries e dos pesos foi realizada por métodos estatísticos, podendo sofrer revisões periódicas. Nesta ocasião, as eventuais alterações não provocarão mudanças nas séries previamente divulgadas.

Para acessar as publicações do ICD clique nos links abaixo:

 
Resultados: Clique em Subcategoria e selecione Indicadores Antecedentes e Coincidentes.

 
Metodologia: Selecione Categoria e Subcategoria.

 
Mídia: Em Categoria selecione Indicadores Antecedentes e Coincidentes.


Indicadores de Mercado de Trabalho: IAEmp e ICD
Principais usos:
IAEmp: Antecipar o rumo do mercado de trabalho
ICD: Monitorar a evolução corrente da taxa de desemprego
Abrangência Geográfica:
IAEmp: Nacional
ICD: Sete principais capitais do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Salvador, Brasília e Porto Alegre.
Abrangência Setorial: Não se aplica
Período de Coleta: Não se aplica
Periodicidade: Mensal
Primeira observação:
IAEmp: junho de 2008
ICD: novembro de 2005

 
Conheça os serviços que o IBRE oferece.
Saiba como o IBRE pode ajudar seu negócio
Fale Conosco
Para dúvidas, sugestões e informações gerais, entre em contato com: E-mail: ibre@fgv.br Telefone: (21) 3799-6799 Fax: (21) 3799-6774 De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h30.
 
Revista Conjuntura
Econômica

faleconosco_novo2Para assinaturas, anúncios e/ou informações sobre a Revista Conjuntura Econômica, ligue para (21) 3799-6844 (Rio de Janeiro), 0800.025.7788 (demais estados) ou envie e-mail para conjunturaeconomica@fgv.br..

Termos de Uso|Mapa do Site|Fale Conosco
Copyright IBRE - Todos Direitos Reservados