Boletim Macro

Compartilhe

Com periodicidade mensal, o Boletim Macro FGV IBRE contempla estatísticas, projeções e análises dos aspectos mais relevantes da economia brasileira.

Ele é composto pelas seguintes seções:

• Atividade Econômica
• Análise das Sondagens IBRE
• Mercado de Trabalho
• Análise da Evolução do Crédito
• Inflação
• Política Monetária
• Política Fiscal
• Setor Externo
• Panorama Internacional
• Em Foco IBRE: Indicador de Demanda Externa

O cenário macroeconômico do IBRE analisa os diversos aspectos da conjuntura econômica internacional e nacional, com ênfase nas perspectivas de crescimento econômico, inflação, e política monetária e fiscal. Destacam-se também os principais desafios de curto prazo para a economia brasileira.

É importante ressaltar que estudos de natureza prospectiva exigem não apenas técnicas estatísticas como também um profundo conhecimento dos fundamentos de teoria econômica. Por isso, a equipe técnica do IBRE é composta por profissionais com ampla experiência acadêmica e de mercado.

Coordenação Geral e Técnica: Silvia Matos

Equipe Permanente: Armando Castelar Pinheiro, José Júlio Senna, Laisa Rachter, Luana Miranda, Lia Valls Pereira, Lívio Ribeiro, Samuel Pessôa, e Vilma Pinto

Colaboradores Permanentes da Superintendência de Estatísticas Públicas: Aloísio Campelo Jr. e André Braz

Há um ano, a última edição do Boletim Macro de 2016 utilizou esse mesmo título. Naquela ocasião, a grande preocupação era com a surpreendente eleição de Donald Trump para a presidência dos EUA e as consequentes dúvidas quanto ao futuro da política econômica americana. Havia o risco de um cenário externo menos favorável aos países emergentes, com possível alta dos…

Quando o governo Temer assumiu, muitos duvidavam de sua capacidade de sobrevivência. O país afundava em uma profunda crise econômica, com a atividade colapsando, a inflação em alta e as contas públicas em trajetória explosiva: com a baixa popularidade do presidente e toda polêmica que cercou o impeachment de Dilma Rousseff, parecia impossível que o novo governo…

Quando, em 1849, o poeta escocês Thomas Carlyle classificou a economia como a “ciência triste” (dismal science) era fácil de entender por que: as previsões dos economistas de então, a começar por Thomas Malthus, eram de fato tristes. Mas o rótulo pegou para muito além disso, em que pese toda a melhoria de padrão de vida desde então. Para muitos, os economistas…

Uma das coisas que mais dificulta a análise econômica, mas também a torna tão interessante, é que a expectativa dos agentes econômicos tem grande influência sobre o que acontece de fato na economia. Assim, se as pessoas acreditam que as coisas vão dar certo, a chance de sucesso aumenta, e vice versa. Nesse sentido, a onda de otimismo que vai tomando conta do país, a…

O mês de agosto é sempre encarado com muito respeito pela classe política, pelo menos desde o suicídio de Getúlio Vargas. Este ano não poderia ser diferente: o princípio de agosto marcou a retomada dos trabalhos no Congresso Nacional, que começou com a decisão da Câmara sobre autorizar ou não o STF a julgar o Presidente da República pelas acusações que lhe foram…

Michel Temer nunca foi um presidente popular. Desde que a delação da JBS veio a público, porém, sua popularidade caiu ao nível mais baixo para um presidente da República desde que as pesquisas de opinião foram iniciadas. Também no Congresso o apoio ao presidente caiu com a delação da JBS, aumentando o risco de que seja obrigado a se afastar do cargo por conta de uma…

Ninguém imaginava que ia ser fácil sair da profunda crise em que o país mergulhou a partir de 2014. O que não significa que não houvesse esperança, nem, por outro lado, que a comprovação de uma recuperação econômica incerta e capenga não deixasse frustrações e desalentasse alguns analistas menos pacientes. Não ajuda, claro, o fato de que, quando o país dava sinais de…

 A drástica mudança no ambiente político gerada pelos eventos divulgados a partir da noite de 17 de maio adicionou um elevado grau de incerteza às perspectivas econômicas do país, com impacto imprevisível sobre o preço dos ativos e o nível de atividade. Essa mudança certamente afetará o encaminhamento das reformas relacionadas ao ajuste fiscal e ao combate à crise…

Quando assumiu o comando do país, há pouco menos de um ano, o atual governo herdou uma economia em forte recessão, com inflação de dois dígitos e um quadro fiscal extremamente complicado, com a dívida pública em forte escalada. De lá para cá se observaram grandes avanços, com a economia dando sinais de que está retomando o crescimento, a inflação rodando abaixo da…

Indicadores divulgados nas últimas semanas reforçaram a percepção de que a crise econômica começa a se dissipar, gerando perspectivas menos sombrias de curto prazo e autorizando um maior otimismo com o quadro macro. Isso não implica que as dificuldades tenham deixado de existir, nem muito menos que os desafios à frente tenham sido superados. Em especial, como veremos…