Boletim Macro

Compartilhe

Com periodicidade mensal, o Boletim Macro FGV IBRE contempla estatísticas, projeções e análises dos aspectos mais relevantes da economia brasileira.

Ele é composto pelas seguintes seções:

• Atividade Econômica
• Análise das Sondagens IBRE
• Mercado de Trabalho
• Análise da Evolução do Crédito
• Inflação
• Política Monetária
• Política Fiscal
• Setor Externo
• Panorama Internacional
• Em Foco IBRE: Indicador de Demanda Externa

O cenário macroeconômico do IBRE analisa os diversos aspectos da conjuntura econômica internacional e nacional, com ênfase nas perspectivas de crescimento econômico, inflação, e política monetária e fiscal. Destacam-se também os principais desafios de curto prazo para a economia brasileira.

É importante ressaltar que estudos de natureza prospectiva exigem não apenas técnicas estatísticas como também um profundo conhecimento dos fundamentos de teoria econômica. Por isso, a equipe técnica do IBRE é composta por profissionais com ampla experiência acadêmica e de mercado.

Coordenação Geral e Técnica: Silvia Matos

Equipe Permanente: Armando Castelar Pinheiro, José Júlio Senna, Laisa Rachter, Luana Miranda, Lia Valls Pereira, Lívio Ribeiro, Samuel Pessôa, e Vilma Pinto

Colaboradores Permanentes da Superintendência de Estatísticas Públicas: Aloísio Campelo Jr. e André Braz

Para quem esperava razão para otimismo nessa virada de semestre, é melhor não procurar apoio nos resultados dos indicadores conjunturais recém-divulgados. A semana encerrada em 19 de junho, em particular, foi cheia de notícias ruins. Começando-se pelo saldo líquido negativo registrado em maio para o emprego formal do CAGED (- 166 mil vagas), passando-se pela…

O balanço dos resultados da política econômica neste final de primeiro semestre se mostra mais positivo do que se imaginava há um par de meses. Parte da melhora nessa mudança de avaliação passa pelo resultado fiscal do primeiro trimestre, parte passa pela aprovação no Congresso das MPs visando melhorar o ajuste das contas públicas; ainda que, neste caso, com…

O segundo trimestre começa com a solidificação de algumas tendências discutidas em edições anteriores deste Boletim. Primeiro, que a equipe econômica fará “o que quer que seja necessário” para gerar um superávit primário próximo à meta de 1,2% do PIB. Com isso, a manutenção do grau de investimento revela-se mais viável do que se imaginava há até bem pouco tempo.

Poucas vezes se chegou a um mês de março com tão pouca nitidez sobre como o ano terminará. Sabe-se que será um ano difícil, de queda do PIB, desvalorização do real, inflação alta, piora do mercado de trabalho. Mas, quanto? E será este o ano da virada ou apenas o primeiro de um período mais longo de desempenho econômico medíocre?

Dificuldades no quadro econômico de curto prazo estão aparecendo antes mesmo que a política fiscal contracionista anunciada no final do ano passado entre em pleno vigor.

A natureza (em geral) não dá saltos. O mesmo ocorre com a análise de curto prazo das perspectivas econômicas: em especial, estas dificilmente mudam significativamente de um mês para outro. Mas há exceções, como ocorre quando há mudanças de rumo da política econômica.

O ano de 2014 se encerra marcado pela deterioração dos fundamentos econômicos domésticos. O destaque é a clara piora do desempenho das contas públicas. A inflação também não dá sinais de trégua, apesar de alguns preços de bens e serviços estarem defasados, e as contas externas aprofundam um déficit que já é preocupante há algum tempo.

Um dos aspectos mais notáveis da conjuntura macroeconômica nacional das últimas semanas foi a explicitação da impossibilidade de se cumprir a meta de superávit primário especificada na Lei de Diretrizes Orçamentárias em vigor. Para lá das implicações legais, esse fato traz novos ingredientes para a análise dos desafios que se colocam para o governo que toma posse em…

Os indicadores das últimas semanas não têm dado razão para otimismo quanto ao desempenho econômico recente — e futuro, em uma perspectiva de curto prazo e médio prazo.

Os indicadores econômicos divulgados desde a última edição do Boletim Macro FGV/IBRE não trouxeram novidades capazes de alterar o quadro que projetávamos então. Se alguma revisão houve, foi para…