Boletim Macro

Compartilhe

Com periodicidade mensal, o Boletim Macro FGV IBRE contempla estatísticas, projeções e análises dos aspectos mais relevantes da economia brasileira.

Ele é composto pelas seguintes seções:

• Atividade Econômica
• Análise das Sondagens IBRE
• Mercado de Trabalho
• Análise da Evolução do Crédito
• Inflação
• Política Monetária
• Política Fiscal
• Setor Externo
• Panorama Internacional
• Em Foco IBRE: Indicador de Demanda Externa

O cenário macroeconômico do IBRE analisa os diversos aspectos da conjuntura econômica internacional e nacional, com ênfase nas perspectivas de crescimento econômico, inflação, e política monetária e fiscal. Destacam-se também os principais desafios de curto prazo para a economia brasileira.

É importante ressaltar que estudos de natureza prospectiva exigem não apenas técnicas estatísticas como também um profundo conhecimento dos fundamentos de teoria econômica. Por isso, a equipe técnica do IBRE é composta por profissionais com ampla experiência acadêmica e de mercado.

Coordenação Geral e Técnica: Silvia Matos

Equipe Permanente: Armando Castelar Pinheiro, José Júlio Senna, Laisa Rachter, Luana Miranda, Lia Valls Pereira, Lívio Ribeiro, Samuel Pessôa, e Vilma Pinto

Colaboradores Permanentes da Superintendência de Estatísticas Públicas: Aloísio Campelo Jr. e André Braz

O ano de 2014 se encerra marcado pela deterioração dos fundamentos econômicos domésticos. O destaque é a clara piora do desempenho das contas públicas. A inflação também não dá sinais de trégua, apesar de alguns preços de bens e serviços estarem defasados, e as contas externas aprofundam um déficit que já é preocupante há algum tempo.

Um dos aspectos mais notáveis da conjuntura macroeconômica nacional das últimas semanas foi a explicitação da impossibilidade de se cumprir a meta de superávit primário especificada na Lei de Diretrizes Orçamentárias em vigor. Para lá das implicações legais, esse fato traz novos ingredientes para a análise dos desafios que se colocam para o governo que toma posse em…

Os indicadores das últimas semanas não têm dado razão para otimismo quanto ao desempenho econômico recente — e futuro, em uma perspectiva de curto prazo e médio prazo.

Os indicadores econômicos divulgados desde a última edição do Boletim Macro FGV/IBRE não trouxeram novidades capazes de alterar o quadro que projetávamos então. Se alguma revisão houve, foi para…

A Copa do Mundo trouxe notícias ruins para o país não só em relação ao que aconteceu com a seleção brasileira nos gramados, mas, também, quanto aos impactos sobre o nível de atividade da economia. As preocupações estão mais recentemente fundamentadas nos resultados de junho: da produção industrial (Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física); das vendas no comércio…

Em tempos de Copa do Mundo, o uso de analogias futebolísticas é inevitável. O fracasso da seleção canarinho, mesmo jogando em casa, sugere que alguma coisa precisa mudar. E muitas coisas precisam mudar, se o objetivo é recuperar pelo menos parte do prestígio perdido pelo nosso time no concerto das nações.

Os indicadores recentes mostram que a economia brasileira continua em sua trajetória de lento crescimento, mas não há sinais de que se vá passar por momentos de estresse, pelo menos neste ano: as coisas estão preocupantes, mas não explosivas.
 

O último mês trouxe poucas novidades sobre o desempenho e, consequentemente, sobre as perspectivas da economia brasileira para o curto prazo. Com isso, nosso cenário básico continua apresentando perspectivas mornas, com alterações marginais em relação às projeções que apresentamos no …

Para onde quer que se olhe, as perspectivas para a economia brasileira neste começo de ano são preocupantes. De fato, desde a edição anterior deste Boletim, em março, não se registrou nenhum fato econômico novo positivo. Pelo contrário, se acumularam novidades negativas, como o rebaixamento do crédito soberano do país pela S&P e uma piora nas condições de…

Não bastassem as incertezas que cercam o cenário fiscal —— apesar do moderado alívio demonstrado por diversos analistas com o anúncio no final do mês passado de corte de gastos e meta de 1,9% do PIB de superávit primário —, da resistente inflação — que se mantém abaixo do teto da meta principalmente pela contenção dos preços dos bens e serviços administrados — e de…