Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 2,9% em 2022

Share

O Monitor do PIB-FGV aponta que a atividade econômica cresceu 2,9% em 2022. Apesar desse bom desempenho, a economia foi desacelerando ao longo do ano e, no quarto trimestre retraiu 0,2%.

 “O crescimento de 2,9% da economia em 2022 foi influenciado principalmente pelo setor de serviços, que contribuiu com mais de 80% para o bom desempenho da economia. O destaque foi a atividade de outros serviços, que engloba as atividades de alojamento, alimentação, saúde privada, educação privada, serviços prestados às famílias e às empresas. Esta atividade, que foi uma das que haviam apresentado as maiores perdas devido à necessidade de distanciamento social no período da pandemia, impulsionou o PIB de 2022 graças a normalização das atividades sociais e aos estímulos fiscais dados a economia. Apesar deste desempenho positivo, outra característica marcante de 2022 foi a desaceleração do crescimento ao longo do ano. Em consequência dos patamares elevados de juros e de endividamento das famílias o quarto trimestre do ano encerrou com queda”, segundo Juliana Trece, coordenadora da pesquisa.

Neste número, o Monitor do PIB-FGV, além dos resultados usuais, divulga informações de valores anuais a preços de 2022, como o PIB per capita, encontra-se a partir da página 5 deste relatório. Estas informações encontram-se disponíveis no arquivo Excel anual do Monitor do PIB-FGV.

ANÁLISE TRIMESTRAL E MENSAL

Na análise trimestral, o PIB apresentou, na série com ajuste sazonal, retração de 0,2% no quarto trimestre, em comparação ao terceiro trimestre. Na análise interanual, o PIB apresentou crescimento de 1,9% no quarto trimestre de 2022. O Gráfico 3 do press release apresenta as evoluções das taxas trimestrais com e sem ajuste sazonal. 

Na análise mensal, o PIB apresentou crescimento de 0,2% em dezembro, na comparação com novembro. Na comparação interanual o resultado do PIB de dezembro foi de crescimento de 1,4%. O Gráfico 4 do press release apresenta as evoluções das taxas mensais do PIB com e sem ajuste sazonal.

ANÁLISE DESAGREGADA DOS COMPONENTES DA DEMANDA

A análise gráfica desagregada dos componentes da demanda é usualmente realizada na série trimestral interanual por apresentar menor volatilidade do que as taxas mensais e aquelas ajustadas sazonalmente permitindo melhor compreensão da trajetória de seus componentes. Nesta edição do Monitor do PIB-FGV essas análises são realizadas na série acumulada em 12 meses, tendo em vista a divulgação do ano. 

Consumo das famílias

O consumo das famílias cresceu 4,0% em 2022. Conforme apontado no Gráfico 5 do press release, o consumo de serviços foi o principal responsável por esse crescimento. Como destaque negativo nota-se que o consumo de duráveis retraiu ao longo do ano. Por serem compostos por bens de maior valor agregado (automóveis, eletrônicos, entre outros), os altos níveis dos juros, de certa forma inibem o consumo desses tipos de bens.

Formação bruta de capital fixo (FBCF)

A FBCF cresceu 1,1% em 2022. O único componente a retrair em 2022 foi o de máquinas e equipamentos. O desempenho positivo foi devido a construção e ao segmento de outros da FBCF que contribuíram positivamente ao longo de todo o ano.

Exportação

A exportação de bens e serviços cresceu 6,0% em 2022. Conforme apontado no Gráfico 7 do press release, praticamente todos os segmentos contribuíram positivamente para este desempenho, à exceção da extrativa mineral. Cabe destacar a contribuição da exportação de serviços e bens intermediários.

Importação

A importação de bens e serviços cresceu 0,9% em 2022. Conforme apontado no Gráfico 8 do press release, o desempenho positivo dessa atividade é resultado do crescimento da importação de serviços que contribuiu fortemente durante todo o ano. Por outro lado, foram as quedas crescentes da importação de produtos da extrativa mineral que tornaram baixo o crescimento dessa atividade. 

PIB-FGV EM VALORES

Em termos monetários, estima-se que o PIB de 2022, em valores correntes, alcançou a cifra de 9 trilhões 818 bilhões e 999 milhões de Reais.

O resultado do PIB de 2022 continua a trajetória de retomada do crescimento iniciada em 2017 e interrompida em 2020 devido a pandemia. O PIB de 2022 finalmente ultrapassou o valor do PIB de 2014, até então o maior desde 2001. A valores de 2022, o PIB per capita equivale a R$ 45.706, valor inferior ao de 2010, conforme mostrados nos Gráficos 9 e 10, do press release.

A Formação Bruta de Capital Fixo (investimento), em 2022, atingiu seu maior nível após a recessão de 2014-2016, enquanto o consumo das famílias alcançou o maior valor da sua série histórica iniciada em 2001. 

A valores de 2022, a produtividade da economia foi de R$ 85.105 em 2022. Este resultado é um dos menores da série histórica, inferior a produtividade de 2008, conforme mostrado no Gráfico 13 do press release. Cabe destacar que o elevado valor da produtividade registrado em 2020, apesar da retração de 3,3% da economia, é explicado pela redução no emprego ter sido mais acentuada do que a do PIB.

TAXA DE INVESTIMENTO

A taxa de investimento da economia foi de 19,9% em 2022; menor que a de 2021 (20,2%).