Sondagem do Comércio

Compartilhe

Sondagem do Comércio

A Sondagem do Comércio traz, mensalmente, informações usadas para que seja possível um completo acompanhamento da situação atual e antecipação de tendências econômicas para o setor. Criada em consonância com as melhores práticas internacionais, a pesquisa teve início em março de 2010. A qualidade da amostra e a rapidez com que é divulgada a tornam ferramenta indispensável para a tomada de decisões empresariais.

O questionário da Sondagem do Setor Comércio é direcionado à empresa, abrangendo temas como a situação dos negócios, volume de demanda, faturamento, compras, acesso ao crédito e contingente de mão-de-obra.

As perguntas apresentam opções de resposta de natureza qualitativa (por exemplo: o volume de compras atual pode ser considerado forte/normal/fraco; a previsão para o total de pessoal ocupado pela empresa é de aumento/estabilidade/diminuição).

O horizonte temporal das perguntas pode ser classificado em quatro modalidades: observações a respeito do trimestre imediatamente anterior ao mês de referência da pesquisa; avaliações sobre o momento de realização da pesquisa; previsões para o trimestre que se inicia no mês de referência da pesquisa; e previsões para o semestre que se inicia no mês de referência da pesquisa, horizonte adotado somente no quesito relativo às perspectivas para a situação dos negócios.

O Índice de Confiança do Comércio Varejista Ampliado (ICOM do Varejo Ampliado) é o indicador-síntese da pesquisa, composto por quatro quesitos: Volume de demanda atual, Situação Atual dos negócios e Expectativas sobre vendas (três meses) e Situação dos negócios (seis meses).

A cobertura setorial da pesquisa é similar ao da Pesquisa Anual de Comércio (PAC) do IBGE abrangendo, em grandes linhas, o comércio Varejista e Atacadista brasileiro. O resultado oficial é o Comércio Varejista Ampliado, incluindo as aberturas dos segmentos do Varejo Restrito, Veículos, Motos e Peças e Material para Construção.

Os segmentos setoriais são definidos de acordo com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas, versão 2.0 (CNAE 2.0), do IBGE.

A série histórica da Sondagem da Indústria na CNAE 2.0 inicia-se em março de 2010.

Principais usos:

Antecipação dos rumos da economia no curto prazo.

Abrangência Geográfica:

Nacional.

Abrangência Setorial:

• Varejo ampliado (abrange os segmentos Veículos, motos e peças; Material para construção e Varejo restrito);

• Veículos, motos e peças (atacado e varejo de Veículos automotores; Acessórios e peças para veículos automotores; Motos, partes e peças);

• Material para construção (atacado e varejo de Material para construção);

•Varejo restrito (Combustíveis e lubrificantes; Hipermercados e supermercados; Alimentos, bebidas e fumo; Tecidos, vestuário e calçados; Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos; Móveis e eletrodomésticos; Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação; Livros, artigos culturais; Outros produtos do comércio varejista);

• Atacado (Alimentos, bebidas e fumo; Artigos de uso pessoal e doméstico; Produtos intermediários não-agropecuários, resíduos e sucatas; Outros produtos do comércio atacadista).

Período de coleta:

Nas três primeiras semanas do mês vigente

Periodicidade:

Mensal

Primeira observação:

Março de 2010