Continuidade da perda de dinamismo da economia alemã merece atenção

Bandeira da Alemanha

No livro “Fault Lines”, publicado em 2010, o economista Raghuram Rajan descreve três conjuntos de falhas com potencial de causar estresses na economia global.  Um desses conjuntos emana de desequilíbrios comerciais decorrentes de padrões de crescimento de países que dependem das exportações para crescer, sem capacidade para dinamizar o mercado local e com dependência excessiva do consumidor estrangeiro. Como exemplo tem-se a Alemanha, que detém o terceiro maior PIB do mundo e representa cerca de 25% do PIB da União Europeia.

A dificuldade em dinamizar o mercado doméstico da Alemanha se intensifica à medida que sua população envelhece, tornando ainda mais difícil alteração nesta dinâmica, podendo levá-la a ser freio em vez de motor do crescimento econômico mundial.  Nesse sentido, no período posterior à Covid-19, ao considerar esse padrão de crescimento, a economia alemã tem chamado nossa atenção não apenas por manter baixa dinâmica no mercado interno, com aumento de sua poupança doméstica, inclusive, mas também pela perda de participação de suas exportações na economia global.

Confira o artigo na íntegra no Blog do IBRE