Em junho, valor médio da Cesta Básica caiu em seis das oito cidades pesquisadas

O valor médio da cesta de consumo básica de alimentos de junho/22 caiu em relação ao mês anterior em seis das oito capitais analisadas mensalmente pela plataforma Cesta de Consumo HORUS & FGV IBRE. O aumento no valor da cesta em duas capitais variou de 0,7% a 1,0% e, nas capitais onde houve queda, as variações foram de -0,1% e -4,7%.

As cidades que registram as maiores altas foram Manaus e Salvador, com 1,0% e 0,7% respectivamente. Já Belo Horizonte e Rio de Janeiro registraram as maiores quedas, com   -4,7% e -2,6%, respectivamente.

A cesta mais cara continua a ser a do Rio de Janeiro (R$ 893,93), seguida pelas de São Paulo (R$ 852,30) e Brasília (R$ 731,70). Por outro lado, as capitais Belo Horizonte (R$ 549,19), Manaus (R$ 675,31), e Curitiba (R$ 694,71) registraram os menores valores.

Dos 18 produtos da cesta básica, o preço do feijão apresentou queda, enquanto o preço da manteiga e do café subiu, em todas as capitais.

Além da manteiga, outros produtos que apresentaram alta de preço na maioria das capitais foram ovos, café em pó e em grãos, massas alimentícias secas e açúcar, dentre outros listados nas tabelas do release.

O aumento do preço na manteiga é decorrente da alta do preço do Leite UHT, que tem apresentado tendência de alta nos últimos meses. O preço do café, por sua vez, bateu recorde no exterior, devido à menor oferta do produto, encarecendo o valor do produto para o consumidor final.

A alta do preço dos ovos pelo quinto mês consecutivo, que ocorreu em quase todas as capitais têm se mantido, mesmo com a queda no preço dos insumos de produção, possivelmente devido à redução nos números das aves poedeiras realizada durante a alta dos preços de produção e alimentação nos meses passados, assim como pelo aumento das demandas pelos consumidores.

O início da colheita da safra de cana-de-açúcar, matéria prima para a produção de açúcar, gera o aumento da demanda mundial por açúcar, fazendo o preço no mercado nacional aumentar.

A variação acumulada no valor da cesta básica, no ano de 2023, caiu em seis das oito capitais, com reduções que variam de -6,4% a -1,0%. Apenas no Rio de Janeiro e em São Paulo foi registrado aumento no período, com alta de 2,2% e 0,2%. A redução mais significativa foi em Belo Horizonte, com queda de -11,2% no período

Os alimentos que mais subiram e os que mais caíram de preço no ano de 2023, em praticamente todas as capitais, estão apresentados nas tabelas do release.

Quando se considera a cesta de consumo ampliada, que inclui bebidas e produtos de higiene e limpeza, além de alimentos, houve aumento no valor médio em cinco das oito capitais analisadas e queda nas outras duas capitais. Curitiba registrou estabilidade no valor médio da cesta. As capitais que apresentaram valores mais altos da cesta ampliada foram Rio de Janeiro (R$ 2.082,43) e São Paulo (R$ 1.950,38).  As maiores altas no valor da cesta ampliada foram registradas em Brasília (2,7%) e em Manaus (1,9%).

Já Fortaleza e Rio de Janeiro apresentaram as maiores quedas, com -0,5% e -0,2%, respectivamente.

O comportamento da cesta de consumo ampliada foi diferente do da cesta básica, sugerindo que o preço de outros produtos, que não os alimentos básicos, apresentam tendência de alta.

Dos 33 produtos da cesta ampliada, azeite, creme dental, papel higiênico e outros produtos apresentaram alta de preço em todas as capitais.

Outros produtos que tiveram altas em diversas capitais foram chocolate, amaciante, massas instantâneas, verduras e suco pronto, dentre outros listados nas tabelas do release.

A queda no valor da cesta básica na maioria das capitais em junho e no acumulado do ano, é reflexo da queda dos preços de produtos importantes da cesta básica, presentes em diversas refeições na mesa do consumidor, como feijão, óleo, carne bovina, frango e outros, gerando um alívio no bolso especialmente dos menos favorecidos.