Nível de Incerteza no Brasil estabiliza em patamar ligeiramente elevado

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas caiu 0,5 ponto em novembro, para 110,4 pontos, permanecendo superior aos 110 pontos, limite inferior da faixa de incerteza considerada elevada. 

Após a alta do mês anterior, a ligeira queda do nível de incerteza em novembro sugere uma estabilidade em patamar moderadamente desfavorável. O resultado foi determinado pela queda do componente de Expectativas, com redução da dispersão das previsões de inflação, juros e câmbio para daqui a 12 meses.  Em sentido oposto, o componente de Mídia, que mede o nível de incerteza através das notícias econômicas, subiu no mês, influenciado pela piora das projeções para o déficit primário de 2023, gerando um ruído de incerteza fiscal e impedindo uma queda maior do IIE-Br. No mês, as incertezas externas com relação às eleições na Argentina, também podem ter influenciado no resultado”, afirma Anna Carolina Gouveia, economista da FGV IBRE.

O componente de Mídia subiu 0,4 ponto em novembro, para 112,2 pontos, contribuindo positivamente com 0,3 ponto para a evolução do índice agregado. O componente de Expectativas, que mede a dispersão nas previsões de especialistas para variáveis macroeconômicas, caiu 4,3 pontos, para 98,8 pontos, menor nível desde janeiro de 2018 (93,9 pts.) e contribuindo negativamente com 0,8 ponto para o IIE-Br.

Com exceção ao mês passado, a queda do componente de Expectativas ao longo do segundo semestre leva o indicador ao nível registrado em 2018. O avanço da agenda das políticas econômicas do ano e as previstas para o futuro, como a reforma tributária, assim como uma maior estabilidade política parecem gerar um ambiente com menor volatilidade na economia, proporcionando maior previsibilidade para os agentes econômicos”, continua Anna Carolina.