Queda das expectativas piora o Clima Econômico na América Latina com forte influência do Brasil

Queda das expectativas piora o Clima Econômico na América Latina com forte influência do Brasil

Falta de confiança na política econômica é o principal problema nos países da América Latina com percentual de 67,4%, seguido por instabilidade política (36,9%) e corrupção (25,2%). Nesse cenário, as incertezas quanto à retomada de um crescimento econômico da região levam a expectativas pela falta de confiança nas diretrizes da política econômica. Soma-se ainda problemas estruturais como: falta de inovação, infraestrutura inadequada e aumento na desigualdade de renda são destacados como questões relevantes para o crescimento econômico dos países. 

O resultado do 4º trimestre de 2021 interrompe a recuperação que vinha sendo observada desde o segundo trimestre de 2020. O Indicador de Clima Econômico da América Latina (ICE) que havia passado para a zona de clima econômico favorável (101,4 pontos) na Sondagem do 3º trimestre, recuou 20,8 pontos no 4º trimestre. 

O clima econômico da América Latina piorou e passou para a zona de avaliação desfavorável liderado pela piora das expectativas que se aproximaram da zona limite entre avaliações favoráveis e desfavoráveis. O ICE é medido pela média geométrica entre o Indicador da Situação Atual (ISA) e o Indicador de Expectativas (IE). O ISA registrou uma pequena queda de 1,1 ponto, ao passar de 59,1 pontos para 58,0 pontos e continua na zona desfavorável. O que influenciou a queda desse trimestre foi o resultado do IE que despencou 45,5 pontos, ao passar de 150,6 pontos no 3º trimestre para 105,1 pontos no quarto trimestre. 

Observa-se que essa é a segunda maior queda entre duas Sondagens consecutivas desde o início da série histórica, em janeiro de 1989. Antes, a maior queda no valor de 58,8 pontos foi entre o 1º e o 2º trimestre de 2020 associada às expectativas pessimistas e incertezas trazidas pela COVID-19. Nesse último trimestre do ano de 2021, a questão da pandemia, embora, ainda causadora de incertezas e com resultados distintos em termos de imunização entre os países da região, não pode ser destacada como a principal razão para a reversão das expectativas. Essa questão será analisada na seção sobre os principais problemas que os países enfrentam em relação ao crescimento econômico.

Clima econômico: Resultados dos países 
A Tabela 1 do Press Release resume os resultados do Clima Econômico para as maiores economias da região acompanhadas pelo FGV IBRE.

Na Tabela 1 do Press Release, os países estão ordenados pela maior variação em número de pontos do Clima Econômico entre o 3º e o 4º trimestre de 2021. No 3º trimestre todos os países registraram melhora no ICE em relação ao trimestre anterior, e o Brasil liderou a lista da maior variação do ICE, conforme reportado na última Sondagem. Agora, na comparação entre o terceiro e o quarto trimestre, o Brasil liderou a queda na variação do ICE, 55,1 pontos. Em seguida com registros de queda estão os seguintes países: Argentina, Chile, Peru e México. 

As quedas observadas no ICE coincidem para esse grupo de países com recuos nas expectativas e na avaliação da situação atual. O Chile é a exceção quanto ao resultado do ISA que melhorou. O Brasil lidera a deterioração das expectativas, 104,2 pontos, com o IE passando de 176,9 pontos para 72,7 pontos. A magnitude da reversão das expectativas levou o país para uma zona desfavorável do clima econômico. No caso, da situação atual, os recuos foram menores para os países com queda no ICE, no caso do Brasil foi de 14,7 pontos. 

Dos 10 países analisados, 5 melhoram na avaliação do clima econômico: Equador; Uruguai; Colômbia; Bolívia; e Paraguai. Todos apresentam ICE na zona favorável, exceto a Bolívia. A melhora no ICE é explicada em todos os países pelos ganhos no Indicador da Situação Atual que atingiu variações superiores a 40 pontos em todos os países desse grupo. Por outro lado, todos registraram piora nas expectativas, exceto a Colômbia. 

Cinco países com queda no ICE registraram piora tanto nas avaliações sobre a situação atual quanto nas expectativas, exceção do Chile para a situação atual. No entanto, a principal contribuição para a piora do ICE veio do recuo nas expectativas. Em adição enquanto o resultado do ISA indica melhora para 6 países e piora para 4, o das expectativas mostra piora em todos os países, exceto a Colômbia. 

O 4º trimestre analisado pelos indicadores da Sondagem aponta a possibilidade de uma piora no clima econômico para a América Latina para os próximos seis meses, embora com intensidades distintas entre os países. O pior ICE e ISA são os da Argentina e o menor IE, do Chile. No entanto, a liderança do Brasil na queda das expectativas sugere um quadro pouco promissor para a economia do país.

Previsões para o crescimento do PIB para 2021 e 2022
O Gráfico 6 do Press Release mostra as previsões de crescimento do PIB para 2021 e 2022 dos especialistas consultados no 4º trimestre. Em relação à última consulta no 3º trimestre para todos os países, o crescimento para 2021 foi revisto para cima. A única exceção foi o Brasil, mas a diferença é de 0,1 ponto. 

A desaceleração para 2022 é esperada considerando a base de comparação sobre 2021, um ano de recessão em todos os países em função da pandemia. Na opinião dos especialistas, o Brasil registra o menor crescimento em 2022, o que é compatível com o cenário de expectativas desfavoráveis da Sondagem.

Principais problemas em países selecionados
A Tabela 2 do Press Release mostra o peso que os especialistas conferem à lista de questões apresentadas como entraves para o crescimento econômico dos países. Pontuações variam de 0 a 100. Pontuações acima de 50 pontos indicam que a questão é relevante e quanto maior o número de pontos, maior a sua relevância. Pontuações abaixo de 50 pontos, o tema não é relevante e quanto menor a pontuação, menos relevante.

A tabela está ordenada segundo a ordem de importância dos problemas para o conjunto da América Latina estudado — falta de inovação, falta de confiança na política econômica; aumento na desigualdade de renda; infraestrutura inadequada; e corrupção — são as questões que receberam a maior pontuação. Falta de inovação recebeu 100 pontos na Colômbia, Equador, México e Peru. Isso significa que todos os especialistas consultados nesses países consideram essa questão relevante para o crescimento econômico do país. Em todos os outros países, a pontuação foi acima de 50 pontos.

O tema da falta de confiança na política econômica é uma questão totalmente consensual na Argentina, México e Peru. Apenas no Equador e no Uruguai, o tema não é relevante, e o Paraguai está na fronteira. Aumento da desigualdade de renda é consensual no Uruguai e só não parece como relevante na Bolívia. Infraestrutura inadequada é consensual no Peru e a menor pontuação é no Chile com 50 pontos, o que indica ser um problema relevante para todos os países da região. Corrupção é uma questão consensual no Equador e no Peru, e tem pontuação acima de 50 pontos em todos os outros países. A exceção é o Uruguai onde é unanime que esse não é um problema para o país. 

Quais são os resultados para o Brasil? Problemas com pontuação acima de 90 pontos e por mera coincidência todos com pontuação de 91,7 pontos: falta de confiança na política econômica; aumento da desigualdade de renda; infraestrutura inadequada; fornecimento de insumos; e matérias primas. Em adição, falta de mão de obra qualificada (90,9 pontos).

Na avaliação da importância da pandemia do COVID-19, o tema é relevante para todos os países, exceto o Chile, sendo as pontuações em ordem decrescente: México; Bolívia; Equador, Paraguai e Uruguai; Peru; Uruguai; Argentina; Brasil (66,7 pontos); Colômbia; e, Chile (41,7 pontos). Na questão sobre se a aplicação da vacina está sendo mais lenta do que se pensava, o tema foi destacado como relevante para a Argentina, Bolívia e México, mas com pontuações entre 52,9 pontos e 69,2 pontos. 

Uma outra leitura realizada foi analisar quais são os três principais problemas que os países enfrentam. Um especialista pode considerar um tema relevante, mas não estar na lista dos três principais problemas. O Gráfico 7 do Press Release ilustra os resultados. 

Para a América Latina, falta de confiança na política do governo, seguido de instabilidade política e corrupção são os 3 principais problemas da região. Observa-se o elevado percentual de 67,4% da falta de confiança na política do governo. No Brasil, falta de confiança na política econômica e instabilidade política receberam o mesmo percentual de 66,7%, seguido de infraestrutura inadequada e aumento da desigualdade de renda. 

Os resultados da Sondagem mostram um quadro que remete às expectativas desfavoráveis em quase todos os países. Não confiar na política econômica do governo e a instabilidade política como principais problemas são fatores que dificultam a perspectiva de um cenário favorável para o crescimento econômico.