Perguntas frequentes

Compartilhe

  • O que é o FGV Confiança?

    O FGV Confiança é a abertura da base de dados das sondagens de tendência produzidas pela FGV/IBRE incluindo diferentes quesitos e desagregações setoriais.

  • Os resultados das Sondagens devem ser avaliados como indicadores qualitativos?

    As informações obtidas nas Sondagens podem ser definidas como tendo natureza qualitativa no sentido de que as opções de respostas dadas as empresas representam qualidades a serem atribuídas às variáveis de referência. Todas as outras características da pesquisa são comparáveis às de uma estatística quantitativa (desenho da amostra, definição de pesos). 

  • Quais os usos mais comuns das Sondagens?

    Entre os usos mais tradicionais está a antecipação das informações conjunturais quantitativas, que são divulgadas com maior defasagem temporal. Como exemplo, o Índice de Confiança da Indústria mostra boa aderência ao Índice da Produção Industrial obtido a partir da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física – PIM-PF

  • Como interpretar o valor de um indicador das Sondagens?

    Os quesitos das sondagens admitem geralmente três opções de resposta: positiva, neutra ou negativa ou, de outra maneira, otimista, neutra ou pessimista. O indicador de determinada variável expressa o saldo das opções favorável e desfavorável, acrescido de 100. As informações de cada empresa/domicílio são sempre ponderadas, pela importância econômica do setor a que pertencem (no caso das amostras empresariais) ou pela faixa de renda/localização do domicílio (sondagem do consumidor)

  • Outros termos muito usados

    Média aritmética: Surge do resultado da divisão do somatório dos números dados pela quantidade de números somados. Por exemplo: dados os números 1200, 1400, 1000 e 1600, para apurarmos o valor médio aritmético deste conjunto, simplesmente o totalizamos e dividimos o total obtido pela quantidade de valores do conjunto:

    Média geométrica: de números positivos é definida como o produto de todos os membros do conjunto elevado ao inverso do número de membros. Por exemplo: a média geométrica dos números 4, 1, e 1/32 é definida da seguinte forma: raiz cúbica de seu produto (1/8), que é 1/2; ou seja:  

    Pass-through cambial: É o tamanho do repasse das variações cambiais para os preços. Em outras palavras, é quanto uma subida (ou redução) na taxa de câmbio faz a inflação subir (ou baixar).

    Núcleo de Inflação: Também denominado de inflação subjacente é uma medida que procura captar a tendência dos preços, desconsiderando distúrbios resultantes de choques temporários advindos do clima ou da sazonalidade. É uma medida de inflação desenhada para detectar mudanças de caráter fundamental nos preços, que podem ser causadas por pressões de demanda sobre a capacidade produtiva, por choques permanentes nos preços relativos ou por alterações nas expectativas de inflação.

    Sazonalidade: O que é próprio de uma estação, evento que ocorre sempre em uma determinada época do ano. Os preços de alguns produtos e serviços do IPC podem sofrer forte alteração em determinados meses. Os agasalhos, por exemplo, sobem de preço no inverno.

    Volatilidade: Qualidade de algo que é sujeito a mudanças frequentes. No caso dos preços, é a quantidade e intensidade de flutuações e oscilações que ocorrem com uma série.

    Preços administrados: São os produtos e serviços cujos preços são estabelecidos por contrato ou por órgão público. Estão incluídos os preços de serviços telefônicos, derivados de petróleo (gasolina e gás de cozinha), eletricidade e planos de saúde, que são regulados pelo próprio governo federal ou por agências reguladoras federais. Os preços estaduais incluem a taxa de água e esgoto, o IPVA, as tarifas de transporte público. 

    Ponderação ou peso: Representa a importância de um item/grupo de itens na cesta de um determinado índice em um momento específico. A soma de todos os pesos é igual a 100%.