Press Releases

Compartilhe

Os releases acompanham os dados levantados para cada um de nossos indicadores e sondagens e têm o objetivo de fornecer conteúdo para a confecção da sua matéria.

Confira abaixo a lista de press releases dos nossos índices e sondagens.

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) da Fundação Getulio Vargas caiu 5,8 pontos em março, para 77,1 pontos, menor nível desde agosto de 2020 (74,8 pontos). O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) caiu 0,2 ponto para 99,1 pontos. 

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu 2,17% em março. No mês anterior a taxa havia sido de 2,71%. Com este resultado, o índice acumula alta de 7,99% no ano e 30,63% em 12 meses. Em março de 2020, o índice havia subido 1,64% e acumulava alta de 7,01% em 12 meses. Na passagem de fevereiro para março, os três componentes do IGP-DI apresentaram as seguintes trajetórias: IPA, de 3,40% para 2,59%, IPC, de 0,54% para 1,00%, e INCC, de 1,89% para 1,30%.

Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) de março subiu 0,82% e acumula alta de 6,63% nos últimos 12 meses.

O IPC-S de 31 de março de 2021 variou 1,00% e acumula alta de 6,11% nos últimos 12 meses. Seis das sete capitais pesquisadas registraram decréscimo em suas taxas de variação.

IPC-S de 31 de março de 2021 variou 1,00% e acumula alta de 6,11% nos últimos 12 meses.

A queda expressiva dos índices de confiança do FGV IBRE em março reflete um quadro em que os efeitos nefastos do recrudescimento da pandemia sobre a atividade econômica superam largamente os efeitos positivos do avanço da campanha de vacinação no Brasil. As sondagens sinalizam forte desaceleração do nível de atividade empresarial no mês e aumento do pessimismo em relação aos próximos meses. O destaque negativo foi o Comércio, cujo índice de confiança passou a ser o menor entre os quatro setores pesquisados. A Indústria é o único setor que sustenta níveis ainda elevados de confiança.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) do FGV IBRE recuou 5,6 pontos em março, para 85,5 pontos, menor nível desde julho de 2020. Com o resultado, a média do primeiro trimestre de 2021 terminou 6,1 pontos abaixo da média do trimestre anterior.

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas recuou 4,7 pontos em março, para 123,5 pontos. Com a queda adicional, o IIE-BR está distante de seu pico histórico, de 210,5 pontos, mas ainda 8,4 pontos acima do nível de fevereiro de 2020, último mês antes da chegada da pandemia de covid-19 ao Brasil.

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 2,94% em março. Com este resultado o índice acumula alta de 8,26% no ano e de 31,10% em 12 meses. Em março de 2020, o índice havia subido 1,24% e acumulava alta de 6,81% em 12 meses. Os três componentes do IGP-M apresentaram as seguintes trajetórias na passagem de fevereiro para março: IPA, de 3,28% para 3,56%, IPC, de 0,35% para 0,98% e INCC, de 1,07% para 2,00%. 

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), do FGV IBRE, recuou 5,6 pontos em março, para 77,6 pontos, menor nível desde junho do ano passado (71,7 pontos). Em médias móveis trimestrais, o índice se manteve em tendência decrescente pelo quarto mês consecutivo ao cair 2,9 pontos.