Press Releases

Compartilhe

Os releases acompanham os dados levantados para cada um de nossos indicadores e sondagens e têm o objetivo de fornecer conteúdo para a confecção da sua matéria.

Confira abaixo a lista de press releases dos nossos índices e sondagens.

O IPC-S de 22 de novembro de 2020 subiu 0,77%, ficando 0,15 ponto percentual (p.p) acima da taxa registrada na última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 3,88% no ano e 4,68% nos últimos 12 meses.

O Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 7,5%, na atividade econômica no terceiro trimestre, em comparação ao segundo, e crescimento de 1,1% em setembro, em comparação a agosto. Na comparação interanual, a economia apresentou queda de 4,4% no terceiro trimestre e de 2,3% em setembro.
 

O IGP-M subiu 3,05% no segundo decêndio de novembro, ante 2,92% no mesmo período do mês anterior. Com este resultado, a taxa em 12 meses passou de 20,56% para 24,25%. Os três componentes do IGP-M apresentaram as seguintes trajetórias, na passagem do segundo decêndio de outubro para o segundo decêndio de novembro: IPA, de 3,75% para 3,98%, IPC, de 0,71% para 0,51%, e INCC, de 1,50% para 1,38%. 

No mês de outubro, o superávit da balança comercial foi de US$ 5,5 bilhões, o que levou a um saldo positivo de US$ 47,4 bilhões no acumulado dos dez primeiros meses do ano. O comportamento dos dados agregados das exportações e importações repetiu o que vem ocorrendo ao longo do ano. Tanto em valor quanto em volume, a queda mais acentuada nas importações do que nas exportações, explica o aumento do superávit em 2020 em relação a 2019. Em volume, as importações recuaram 20,4% e as exportações 7,1%, na comparação interanual do mês de outubro

IPC-S de 15 de novembro de 2020 subiu 0,62%, ficando 0,03 ponto percentual (p.p.) acima da taxa divulgada na última apuração. Seis das sete capitais pesquisadas registraram acréscimo em suas taxas de variação.

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 3,51% em novembro. No mês anterior, o índice havia registrado taxa de 3,20%. Com este resultado, o índice acumula alta de 21,76% no ano e de 23,82% em 12 meses. Em novembro de 2019, o índice subira 0,19% no mês e acumulava elevação de 3,33% em 12 meses. Os três componentes do IGP-10 apresentaram as seguintes trajetórias, na passagem de outubro para novembro: IPA, de 4,06% para 4,59%, IPC, de 0,98% para 0,55%, e o INCC repetiu a taxa do mês anterior, de 1,51%.

O IPC-S de 15 de novembro de 2020 subiu 0,62%, ficando 0,03 ponto percentual (p.p) acima da taxa registrada na última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 3,73% no ano e 4,52% nos últimos 12 meses.

A prévia extraordinária das Sondagens da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), com dados coletados até o dia 13 deste mês, sinaliza recuo da confiança empresarial e dos consumidores em novembro. Em relação ao número final de outubro, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) recuaria 0,9 ponto, para 96,2 pontos, enquanto o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) cairia 2,2 pontos, para 80,4 pontos.

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE), publicado em parceria entre a FGV IBRE e The Conference Board (TCB), ficou estável em outubro em 123,3 pontos, 3,3 pontos acima do período pré-pandemia no Brasil (fevereiro de 2020). Das oito séries do componente, cinco contribuíram de forma negativa e três de forma positiva para o resultado agregado. A maior contribuição positiva veio do Indicador de Expectativas da Indústria, enquanto a maior contribuição negativa veio do Indicador de Expectativas de Serviços.

A prévia de novembro do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas sinaliza alta de 7,6 pontos no mês, para 151,4 pontos. Essa seria a primeira alta do indicador após recuar por seis meses consecutivos.