Press Releases

Compartilhe

Os releases acompanham os dados levantados para cada um de nossos indicadores e sondagens e têm o objetivo de fornecer conteúdo para a confecção da sua matéria.

Confira abaixo a lista de press releases dos nossos índices e sondagens.

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) registrou variação de 0,59%, na apuração referente ao primeiro decêndio de maio. No mesmo período de apuração do mês anterior, a variação foi de 0,31%. A apuração referente ao primeiro decêndio do IGP-M de maio compreendeu o intervalo entre os dias 21 e 30 do mês de abril.

O IPC-S de 07 de maio de 2016 apresentou variação de 0,64%, 0,15 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada na última divulgação.

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,36%, em abril. Em março, o índice variou 0,43%. Em abril de 2015, a variação foi de 0,92%. A taxa acumulada em 2016, até abril, é de 3,15%. Em 12 meses, o IGP-DI registrou alta de 10,46%. Os três componentes do IGP-DI apresentaram as seguintes trajetórias, na passagem de março para abril: IPA, de 0,37% para 0,29%, IPC, de 0,50% para 0,49%, e INCC, de 0,64% para 0,55%.

O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) do mês de abril apresentou variação de 0,69%, taxa 0,25 ponto percentual (p.p.) acima da apurada em março, quando o índice registrou variação de 0,44%. Com este resultado, o indicador acumula alta de 3,82%, no ano e, 9,94%, nos últimos 12 meses.

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), da Fundação Getulio Vargas, avançou 3,7% em abril de 2016, alcançando 76,5 pontos, maior nível desde maio de 2014 (79,3 pontos). Com o resultado, o indicador de médias móveis trimestrais apresentou a sexta alta consecutiva (1,5%, em abril), sinalizando uma acomodação no ritmo de queda do pessoal ocupado na economia brasileira ao longo dos próximos meses. O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) apresentou queda em abril, ao variar -1,9%, atingindo 95,6 pontos. Este é o quarto recuo consecutivo do indicador, que alcançou o menor nível desde setembro de 2015 (92,6 pontos). A tendência do ICD sinaliza um arrefecimento da evolução negativa da taxa de desemprego.

O IPC-S de 30 de abril de 2016 registrou variação de 0,49%, 0,11 ponto percentual (p.p.) acima da taxa divulgada na última apuração. Todas as sete capitais pesquisadas registraram acréscimo em suas taxas de variação.

O indicador Ifo/FGV de Clima Econômico da América Latina (ICE) – elaborado em parceria entre o Instituto alemão Ifo e a FGV tendo como fonte de dados a Ifo World Economic Survey (WES) – avançou pelo segundo trimestre consecutivo, ao passar de72 pontos para 74 pontos entre janeiro e abril de 2016. A alta foi determinada pela melhora das expectativas. O Índice de Expectativas (IE) subiu 4 pontos, de 84 para 88 pontos; enquanto o Índice da Situação Atual (ISA) ficou estável em 60 pontos.

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) da Fundação Getulio Vargas subiu 0,4 ponto entre março e abril, ao passar de 68,9 para 69,3 pontos. Apesar da alta na margem, quando expresso em médias móveis trimestrais, o índice registrou queda de 0,1 ponto, após crescer desde o início do ano.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas avançou 2,4 pontos em abril, ao passar de 75,1 para 77,5 pontos, o maior desde abril de 2015.

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) da Fundação Getulio Vargas recuou 0,5 ponto em abril de 2016, atingindo 66,6 pontos, o terceiro menor valor da série iniciada em março de 2010. Na métrica de médias móveis trimestrais, o índice voltou a recuar (0,5 ponto), depois de três altas consecutivas