Boletim Macro

Compartilhe

Com periodicidade mensal, o Boletim Macro FGV IBRE contempla estatísticas, projeções e análises dos aspectos mais relevantes da economia brasileira.

Ele é composto pelas seguintes seções:

• Atividade Econômica
• Análise das Sondagens IBRE
• Mercado de Trabalho
• Análise da Evolução do Crédito
• Inflação
• Política Monetária
• Política Fiscal
• Setor Externo
• Panorama Internacional
• Em Foco IBRE: Indicador de Demanda Externa

O cenário macroeconômico do IBRE analisa os diversos aspectos da conjuntura econômica internacional e nacional, com ênfase nas perspectivas de crescimento econômico, inflação, e política monetária e fiscal. Destacam-se também os principais desafios de curto prazo para a economia brasileira.

É importante ressaltar que estudos de natureza prospectiva exigem não apenas técnicas estatísticas como também um profundo conhecimento dos fundamentos de teoria econômica. Por isso, a equipe técnica do IBRE é composta por profissionais com ampla experiência acadêmica e de mercado.

Coordenação Geral e Técnica: Silvia Matos

Equipe Permanente: Aloisio Campelo Jr., André Braz, Armando Castelar Pinheiro, Bernardo Motta, Daniel Duque, José Júlio Senna, Juliana Damasceno, Lia Valls Pereira, Livio Ribeiro, Marina Garrido, Mayara Santiago, Samuel Pessôa e Viviane Seda.

Colaboradores Permanentes da Superintendência de Estatísticas Públicas: Aloísio Campelo Jr., André Braz, Rodolpho Tobler e Viviane Seda.

| O novo arcabouço fiscal e seus desafios Link

As últimas semanas foram marcadas por vários eventos importantes, aqui e lá fora, com impacto nos mercados doméstico e global. Destaca-se, no caso brasileiro, a evolução favorável dos preços dos ativos, em especial a valorização do real para a faixa de R$ 4,90-4,95 por dólar.

| À espera do novo arcabouço fiscal Link

Tudo indica que podemos estar em meio a um momento de redirecionamento da trajetória da economia, aqui e lá fora. No âmbito doméstico, o foco na segunda metade de
março será a definição do tão aguardado “novo arcabouço fiscal”, tema do momento.

| Um começo de ano turbulento Link

Em termos retrospectivos, e a despeito de tantos desafios, a economia brasileira surpreendeu positivamente em 2022. O PIB deve ter crescido 3%, com a inflação dando sinais de descompressão nas medidas de núcleo, em linha com os efeitos defasados da política monetária.

| 2023: um ano com muitos desafios Link

Apesar de o ano ter começado de modo bem turbulento, no que tange à política econômica estas primeiras semanas serviram para que, de fato, se começassem a ter mais definições, tanto em termos da equipe como da agenda econômica.

| Decifrando os próximos passos Link

Passado o segundo turno das eleições presidenciais, a atenção se voltou para entender qual será a política econômica do governo eleito, especialmente no que diz respeito à formação da equipe econômica e ao cenário fiscal para 2023 em diante.

| À espera do novo arcabouço fiscal Link

Sem dúvida, o principal tema do debate doméstico atual é qual será o arcabouço fiscal que vigorará nos próximos anos. A única certeza que temos até aqui é que o setor público terá um déficit em 2023, mas de que tamanho é muito pouco claro.

| À espera do resultado das eleições Link

Após um primeiro turno em que o destaque foi uma votação no presidente Jair Bolsonaro bem mais favorável que a sinalizada pelas pesquisas, o país agora se prepara para o segundo turno, a ocorrer em 30 de outubro.

| O custo da desinflação Link

A economia global enfrenta um dos maiores desafios em décadas, esta é grande mensagem do encontro anual de dirigentes dos bancos centrais realizando em Jackson Hole nos EUA no final do mês de agosto.

| Cenário à frente promete ser desafiador, aqui e lá fora Link

Quatro forças principais têm moldado o desempenho da economia este ano e vão continuar a fazê-lo em 2023: as políticas monetária e fiscal, a geopolítica e a normalização das condições sanitárias, aí incluída a decisão das famílias sobre o que fazer com a poupança acumulada na fase de isolamento social.

| Aumento da incerteza global e doméstica Link

A incerteza global aumentou, de acordo com o World Uncertainty Index (WUI), medida que engloba a situação em 143 países. Não é difícil identificar as várias fontes dessa elevada incerteza. A persistência da guerra na Ucrânia, assim como das sanções impostas em reação a esta, é uma delas.